China é segundo maior produtor do mundo; Brasil é 6º

7 08 2008

A Organização Internacional de Construtores de Automóveis (OICA) divulgou hoje (7) o ranking dos países que mais produzem automóveis no mundo. O maior destaque ficou para a China, que passou os EUA e agora ocupam a segunda colocação.

O Brasil também subiu no ranking, ultrapassando a França e ocupando a sexta posição, com 1,69 milhão de automóveis produzidos. A lista é liderada pelo Japão, que nos primeiros seis meses desse ano produziu 6,06 milhões de unidades. Depois, vêm China, com 5,20 milhões, EUA (4,89 mi), Alemanha (3,31 mi), Coréia do Sul (2,08 mi), Brasil (1,69 mi), França (1,57 mi) e Espanha (1,55 mi).

Também foi publicada a lista das maiores frotas mundiais de automóveis. O ranking é liderado pelos EUA, com 244,4 milhões de carros, uma média de 1,2 unidade por habitante, seguido por Japão (75,8 mi), Alemanha (49,7 mi), Itália (39,8 mi), França (36,6 mi), Reino Unido (35,1 mi), China (31,5 mi), Rússia (31,2 mi) e Espanha (26 mi). O Brasil ocupa a décima colocação, com 25,5 milhões de veículos.

Por Pedro H. Kotowicz

Anúncios




Audi apresenta novo A4, à venda por R$ 229.000

7 08 2008

A Audi apresentou nesta semana a nova linha do sedan A4. Com mudanças sutis, a nova geração do sedan, revelada em setembro passado na Europa, é uma forma de sobrevida até a chegada do novo modelo, ainda sem data de estréia definida. Agora o sedan desembarca ao Brasil, custando a partir de R$ 229.000 e equipado, por enquanto, com o novo propulsor 3.2l FSI. Rendendo 269cv de potência e 33,7mkgf de torque, o novo sedan ganhou em desempenho e economia, graças à injeção direta de combustível (FSI) e à tração integral. No mês de outubro, a montadora alemã iniciará as vendas do modelo com o bloco 2.0l turbo, cuja potência varia entre 183cv e 214cv.

Os novos propulsores consomem cerca de 9% a menos que os antigos blocos, segundo a Audi. Graças às melhorias na potência, o A4 3.2l FSI acelera de 0-100km/h em 6,4s e tem velocidade máxima limitada em 250km/h, assim como no 2.0l de 214cv. Este, porém, é um pouco mais lento na aceleração: 6,9s. Já no motor de entrada, o 2.0l Turbo de 183cv e 32,6 mkgf de torque, o tempo de alcançe da imobilidade aos 100km/h pula pra 7,9s, atingindo 236km/h de máxima.

Mesmo ganhando em dimensões, o A4 está 10% mais leve. Seus 4,70m de comprimento (12cm a mais que o antigo modelo) são moldados por uma nova liga metálica, principal responsável pela redução no peso. O entreeixos agora mede 2,81m, representando um ganho de 29mm aos ocupantes do banco traseiro. Bem recheado, o modelo ganhou em equipamentos. Além dos seis airbags de série, podem ser adicionados ao sedan itens como o sistema Audi Parking System Plus, que auxilia as manobras por meio de uma câmera externa; o Audi Side Assist, sistema composto por radares que avisam ao motorista caso algum veículo se aproxime repentinamente e o novo piloto automático, capaz de ser configurado em velocidades que variam de 30km/h a 200km/h. Apesar das melhorias, a nova geração do A4 está mais em conta. O modelo antigo custava cerca de R$ 231.000, R$ 2 mil a mais que o novo.

Por Fillipe Vivas





Mini produz o último Cooper S Cabriolet

7 08 2008

A Mini, montadora britânica do famoso compacto Cooper, produziu nesta quinta-feira (7) a última unidade da variante descapotável do modelo. O interrompimento da linha se deve a chegada da nova geração do carismático modelo, esperada para estrear em março do ano que vem, no Salão Internacional de Genebra. O último exemplar do Mini Cooper S Cabrio a sair da planta de Oxford, Inglaterra, foi destinado à um fã da marca nos Estados Unidos.

Sucesso de venda na Europa, América e Ásia, o Mini Cooper Cabrio vendeu mais de 164.000 unidades desde seu lançamento, em meados de 2004. 77% das vendas se concentram entre Grã-Bretanha, EUA, Alemanha, Itália e Japão. Entre elas, 79.500 correspondem à versão de entrada do modelo, seguido por 55.600 unidades do Mini Cooper S e 28.000 do ONE, equipado com um propulsor de 90cv de potência.

Por Fillipe Vivas





Fiat lança Croma na América Latina

7 08 2008

Com vendas aquém do esperado, a station wagon de luxo da Fiat ingressou ao mercado latino-americano nesta semana. A fim de evitar que o modelo caia ainda mais em vendas, a montadora italiana decidiu lançá-lo na República Dominacana. O país apresenta baixos números de vendas, contrariando a lógica de lançar a perua em mercados mais amplos, como do México, Argentina e Brasil. Além do recém-chegado, a gama Fiat no país é composta por Palio, Siena, Strada, Mille, Doblò, Fiorino e Ducato, além do Cinquecento, Grande Punto, Idea e Panda, importados independentemente.

No momento, o Croma só estará disponível com o propulsor 2.2l de 16v movido a gasolina, capaz de desenvolver 145cv de potência e 20.7 mkgf de torque. Recheada, a station sai de fábrica dotada de airbags frontais e laterais, ESP, ar-condicionado digital, dentre outros equipamentos. Suas vendas começam imediatamente, mas os preços ainda não foram revelados. Medindo 4,78m de comprimento, o Croma tem como principais concorrentes, na Europa, o Opel Signum e o Passat Variant, custando a partir de 22.950 euros (ou cerca de R$ 56.250). Por enquanto, a Fiat não pretende comercializar o modelo no Brasil.

Por Fillipe Vivas





Morre Andrea Pininfarina, ícone do indústria mundial

7 08 2008

Chefe do estúdio de design que leva seu sobrenome, Andrea Pininfarina faleceu na manhã desta quinta-feira (7) em um acidente de trânsito em Turim, Itália. Segundo a imprensa local, o renomado designer se dirigia ao trabalho a bordo da sua scooter quando foi atingido por um automóvel vindo em direção contrária. O condutor do Ford Fiesta, um senhor de 78 anos, saiu ileso do acidente, diferentemente de Pininfarina que perdeu a vida. A falta de visibilidade provocada por uma obra na pista teria sido a causa do ocorrido, segundo a polícia.

Andrea Pininfaria ocupava os cargos de presidente e diretor-executivo da empresa, fundada pelo seu avô em 1930 e faleceu aos 51 anos deixando três filhos. Nascido em Turim, Itália, no dia 26 de julho de 1957, era considerado ícone da indústria automobilística mundial, criando modelos famosos como Ferrari Enzo, Maserati Quattroporte, e Ford Focus. Ingressou no negócio da família em 1983, que vinha passando por dificuldades financeiras há pouco tempo. Com a notícia da morte de Pininfarina, surgiram boatos sobre a venda das ações do estúdio para potenciais compradores, como o herdeiro da Ferrari e o CEO indiano Ratan Tata.

Por Fillipe Vivas





Nissan entra na era flex

7 08 2008

A japonesa Nissan deve apresentar nos próximos seis meses mais dois produtos novos de seu projeto de expansão lançado em 2006 chamado Shift Mercosul. Além de dois novos carros a serem lançados em 2009, os médios Tiida e Sentra devem finalmente receber motores flexíveis em combustível em até seis meses. É provável que o anúncio das novidades seja feito em um evento com a presença do presidente mundial do grupo Renault-Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, no fim de agosto.

 

A Nissan espera tornar seus produtos-chefe no Brasil mais competitivos diante da concorrência acirrada com modelos nacionais. O hatch médio Tiida parte dos R$52.490 e usa um motor 1.8 16v que produz 124cv e 17,5kgfm de torque e vendeu 312 unidades no mês de julho. Pouco se comparado ao líder do segmento, o Fiat Punto, que vendeu no mesmo mês 4.096 carros. O sedan Sentra, à partir de R$59.500, é impulsionado por um 2.0 16v que rende 142cv e 20,3kgfm e enfrenta concorrentes de peso como o Honda Civic e o recém renovado Toyota Corolla. A marca japonesa espera vender mais que as 623 unidades emplacadas em julho e se aproximar do líder Civic, com 5.684 compradores. É também esperado aumento de potência em ambos os propulsores, comum com o uso do álcool combustível, algo em torno dos 130cv para o Tiida e 150cv para o Sentra.

Por Igor Macário